Compositoras no Acervo Hermelindo Castello Branco: resgate e divulgação da biografia e produção cancional de Letícia de Figueiredo e Nênia de Carvalho Fernandes.

Gisele Pires Mota
Universidade de Brasília (UnB) – giselepires1@gail.com

O recém descoberto Acervo de Hermelindo Castelo Branco, cantor e pianista, trouxe a tona a existência de mais de setenta compositoras brasileiras de canção de câmara. O presente artigo além de apresentar um breve histórico desse acervo, se concentra no resgate biográfico e investigação do repertório cancional de duas dessas compositoras, Letícia Figueiredo e Nênia de Carvalho Fernandes, através da escassa bibliografia encontrada e de reportagens em jornais da época.

Anúncios

Crítica e controle normativo: as comissões de música sacra no catolicismo pré-conciliar e as práticas musicais religiosas do presente

Fernando Lacerda Simões Duarte
CAPES/PNPD – PPG-Artes/UFPA – lacerda.lacerda@yahoo.com.br

Este trabalho procura compreender a atuação das comissões de música sacra – particularmente a do Rio de Janeiro – enquanto organismos de controle das práticas musicais anteriormente ao Concílio Vaticano II (1962-1965). Questiona-se também o papel destes organismos no presente. A análise dos dados obtidos em pesquisa bibliográfica e documental revela um alinhamento entre a crítica musical e o conceito de controle normativo. Um olhar para o presente sugere novas atribuições das comissões e a manutenção, ainda que discreta, da crítica.

Institucionalização da música contemporânea brasileira: a crítica musical como índice do processo de racionalização (1975-1980)

Danilo Pinheiro de Ávila
Universidade Estadual Paulista/Campus Franca – danilo.avila@gmail.com

Esta comunicação visa compreender a dinâmica da institucionalização da música contemporânea brasileira através das críticas musicais da segunda metade da década de 1970 de dois críticos: Ronaldo Miranda (Jornal do Brasil, RJ) e João Marcos Coelho (Folha de São Paulo, SP). Objetiva-se investigar as escolhas de ambos os críticos e eleger alguns acontecimentos relevantes comentados por eles. Para tanto, a pesquisa pensa estes acontecimentos como fragmentos que reorganizam o sentido histórico da produção de música contemporânea no Brasil.

Francisco Curt Lange e o Boletín Latino Americano de Música VI: publicações da crítica musical brasileira

Natália Braga
Universidade Federal de Minas Gerais – nataliabraga.nb@gmail.com

Edite Rocha
Universidade Federal de Minas Gerais – editerocha@ufmg.br

Este trabalho analisa a receptividade do sexto Boletín Latino Americano de Música (BLAM), dedicado ao Brasil, após a sua publicação e distribuição em 1947, e o impacto na crítica do seu organizador e idealizador, Francisco Curt Lange, durante a elaboração da obra. Para tal, foi realizado um levantamento documental de artigos e críticas em periódicos brasileiros do ano de 1944 a 1947, relacionando com a correspondência deste período disponível no Acervo Curt Lange UFMG. A partir desta análise documental foi possível constatar duas fases da crítica musical brasileira sobre essa publicação e seu organizador, além do reconhecimento da importância dessa obra para a música e musicologia brasileira apesar da polêmica que a envolveu.

Barítono Ernesto de Marco: visões sobre a performance do artista a partir das críticas do jornal Correio da Manhã (RJ)

Daniela da Silva Moreira
Universidade Federal de Pelotas. danieladasilva.moreira@hotmail.com

Luiz Guilherme Duro Goldberg
Universidade Federal de Pelotas. guilherme_goldberg@hotmail.com

Este trabalho trata-se de um recorde da pesquisa “Ernesto de Marco: Um Barítono Multifacetado”, vinculada ao Grupo de Pesquisa: Estudos Interdisciplinares em Ciências Musicais, da UFPEL, que tem por objetivo o resgate histórico da vida artística e profissional do barítono brasileiro Ernesto de Marco (1895-1969). As informações a seu respeito foram extraídas exclusivamente de pesquisas em jornais, acessados por meio da Hemeroteca Digital Brasileira. Dentre os periódicos, até o momento, consultados, escolheu-se o jornal Correio da Manhã (Rio de Janeiro), para realizar um recorte enfocando nas notícias que se tratavam de críticas sobre seu desempenho vocal, artístico e performático. As principais informações observadas nas críticas encontradas são relacionadas à sua dicção, projeção vocal e da construção cênica dos personagens de ópera que interpretava.

Cacilda Ortigão e a crítica musical pelotense

Ruthe Zoboli Pocebon
Universidade Federal do Rio de Janeiro –rt.zp@hotmail.com

Cacilda Ortigão (1888?-1956) foi uma soprano ligeiro portuguesa de muito sucesso em seu país e no Brasil na década de 1920. Realizou concertos nas principais cidades brasileiras, incluindo Pelotas, no Rio Grande do Sul. Neste trabalho, tem-se por objetivo entender Cacilda Ortigão segundo a crítica musical dessa cidade e levantar características da crítica musical pelotense nesta época. Como referencial teórico, utilizaram-se os trabalhos sobre crítica musical de Giron (2004) e crítica musical em Pelotas (LUCKOW; NOGUEIRA, 2007).

Oscar Guanabarino e a ópera no Rio de Janeiro (1889-1914): a crítica musical como fonte histórica

Liliane Carneiro dos Santos Ferreira
Universidade de Brasília, PPGHIS – lilianecarneiro79@uol.com.br

Ao analisar o aspecto pedagógico das críticas de Oscar Guanabarino, percebemos que se trata de um material fundamental não só para a compreensão do que era a ópera, mas também como fonte para compreendermos outros discursos que estavam então em pauta. No âmbito teórico e metodológico da História Cultural, os textos apontam para diversas questões, dentre as quais o projeto civilizador a ser implantado naquele contexto.